pontos de partida para um debate com toda a sociedade civil

Bolsonaro será investigado pelo TCU por farra na publicidade
janeiro 30, 2020
42 melhores anúncios para se inspirar!
janeiro 31, 2020
Show all

pontos de partida para um debate com toda a sociedade civil

Lima & Santana Propaganda, sua agência de publicidade e propaganda em Santos

.

Luciano Benetti Timm. Foto: Divulgação

Agência de Publicidade em Santos – Na obra sua sobre moralidade, recentemente traduzida para o português, o Professor de Harvard J. Green defende que o debate sobre políticas públicas deveria ser conduzido pelo que os neurocientistas chamam de “sistema cerebral 2”, ou seja, aquele predominantemente capaz de fazer raciocínios complexos e pragmáticos (em outras palavras, “o Dr. Spock que existe em todos nós humanos”, como diria o também Professor de Harvard Cass Sustein em sua obra Nudges) e não (apenas) pelo “sistema cerebral 1”, ou seja, o intuitivo (“o Homer Simpson que existe em todos nós”, igualmente parafraseando o mesmo Sustein). Tratar-se-ia, portanto, de fazer um debate “iluminista”, racional, baseado em dados e evidências científicas, como defende um terceiro professor de Harvard, S. Pinker (na obra “Iluminismo Agora”).

Sample Page – Pois bem, a última semana foi caracterizada por um debate acalorado por diversos campos da sociedade civil acerca da proposta de consulta pública sobre publicidade infantil lançada pela SENACON (Ministério da Justiça e Segurança Pública).

Estágio em agência de publicidade de Santos – Vamos aos fatos em sequência histórica para auxiliar a um debate produtivo da sociedade.

Pricing – Em 2014, o CONANDA publica uma polêmica resolução – até mesmo para um governo autointitulado de esquerda – sobre o tema da publicidade infantil, estabelecendo parâmetros não previstos em lei federal sobre o assunto.  Sabidamente, apenas o Código de Defesa do Consumidor restringiu o tema da publicidade infantil e o CONANDA não tem competência regulatória para disciplinar o CDC, nem sequer é órgão de estado ou mesmo de governo.

Nosso estoque de ideias é ilimitado – Tal deliberação chegou a ser usada em algumas ações movidas pelo Ministério Público, em atuações de alguns procons, bem como em decisões judiciais isoladas.

Sites em Santos – No entanto, ela está longe de ser um parâmetro seguro ou adequado para trazer segurança jurídica ao ambiente publicitário, especialmente porque, no início do ano passado, o governo federal propôs medida provisória de liberdade econômica convertida em lei (LLE), que dispôs, em seu artigo 4º, inc. VIII ¹ qualquer restrição à publicidade que não aquela prevista na Constituição Federal ou na legislação federal. Na ocasião, a SENACON emitiu Nota Técnica Nota Técnica n.º 2/2019/GAB-SENACON/SENACON/MJ favorável ao texto da MP convertida em Lei, considerando que o CDC não foi por ela expressamente revogado.

Marketing em SantosLogo, sua regulação da publicidade (inclusive infantil) permanecia intacta 2². Não há, portanto, como sustentar juridicamente que uma resolução do CONANDA possa sobreviver a essa mudança legal, até porque sua existência e configuração original só é mantida por precária decisão liminar concedida pelo STF.

Estágio em agência de propaganda de Santos – Resta evidente, nessa esteira, que mais inseguro se tornou o ambiente regulatório, uma vez que a vagueza semântica da norma legal do CDC em questão é suficientemente aberta para permitir excessiva judicialização ou mesmo uma atuação não uniforme dos diversos órgãos que integram o Sistema Nacional de Defesa do Consumidor. E segurança jurídica é um valor fundamental a qualquer sistema jurídico.

Sites em Santos – Faz sentido, então, que a SENACON tome a dianteira, como órgão responsável pela coordenação da política pública nacional da defesa do consumidor, ao pretender orientar o comportamento dos agentes econômicos no mercado publicitário com a exemplificação do que seria considerado publicidade infantil abusiva e/ou enganosa, por meio de expedição de portaria, conforme ensejam os arts. 37, § 2º, do CDC e 14, § 1º, do Dec 2.181/1997. Tanto é assim, que a SENACON expediu diversas portarias para resolver problemas do mercado de consumo, a exemplo da Portaria 618/2019 MJSP, que regulamenta a apresentação de campanhas de recall.

Rádio para clínicas – Seguindo o escorço histórico factual, também ao longo de 2019 foram diversas as conversas sobre a necessidade de segurança jurídica com diversas entidades da sociedade civil, das mais diversas matizes, sobre a publicidade infantil no ambiente virtual e mesmo sobre a ausência de simetria entre a regulação da mídia tradicional versus a midia digital.

Procura-se ADM/Tráfego – Não foram poucas, também, as discussões no âmbito do Conselho Nacional de Combate à Pirataria (CNCP) sobre a necessidade de aplicação do CDC no ambiente virtual, aí incluídas as “big techs” e, também, os marketplaces, seguindo orientação da OCDE (OECD Toolkit for Protecting Digital Consumers, de 2019, e Consumer Protection in E-commerce, de 2016), o que inclusive gerou uma Nota Técnica da SENACON sobre o tema (Nota Técnica n.º 610/2019/CCSS/CGCTSA/DPDC/SENACON/MJ), onde ficou evidenciada a opinião da SENACON de que a publicidade não se confunde com liberdade de opinião, pois a primeira está associada à livre iniciativa (liberdade econômica) e a segunda seria uma liberdade mais ampla, associada a liberdade de pensamento (liberdade filosófica ou política). Não se deve esquecer que o Brasil, ao contrário dos Estados Unidos, tem uma extensa constituição, com um capítulo específico sobre a ordem econômica.

Simpatia para atrair dinheiro e sorte para empresa – Por todos esses motivos, entendeu a SENACON pela necessidade de iniciar uma regulação da publicidade infantil com ênfase no ambiente digital, partindo de algumas premissas:

  1. Publicidade deriva de um direito fundamental de liberdade econômica (livre iniciativa), mas não necessariamente da liberdade de expressão;
  2. O CDC é parte integrante da regulação da livre iniciativa, de acordo com art. 170 da Constituição Federal.
  3. Senacon tem competência regulatória com base no CDC para emitir portarias;
  4. Portarias podem trazer segurança jurídica e previsibilidade quando adequadamente concebidas;
  5. Conforme a LLE, não se deve promover irrazoável regulação no mercado com base no CDC, de modo que o ponto de partida deveria ser a autorregulação setorial (que culminaria com uma corregulação, tal como preconizado pela OCDE);
  6. Deveria haver simetria regulatória entre os ambientes publicitários (físicos e digitais);

Anunciar na TV – Previamente à consulta pública, a Senacon enviou ofícios a diversas entidades para colher subsídios iniciais e chegou à conclusão de que o ponto de partida seriam as normas de autorregulação do CONAR, como um parâmetro mínimo que deveria nortear a corregulação do Estado. Tal iniciativa é semelhante a outras medidas da SENACON, a exemplo do que ocorreu nos temas dos empréstimos consignados e do telemarketing.

Simpatia para empresa ganhar dinheiro – Voltamos ao ponto inicial. Melhor um debate pragmático e racional baseado em consensos mínimos e pautados em evidências científicas, a um estridente choque puramente de convicções principiológicas  ou dogmáticas sobre políticas públicas, não? Por que não uma corregulação da Senacon, a partir da autorregulação do CONAR com eventuais ajustes ao longo da consulta pública? Esse é o convite da SENACON para toda sociedade civil e empresarial.

Agência de Propaganda em Santos
Administração de redes sociais

Magia para empresa ganhar dinheiro*Secretário Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública. Doutor em Direito. Professor universitário.

Simpatia para empresa ganhar dinheiro
Pintura Empresarial em Santos

Blog – ¹ – “Art. 4º É dever da administração pública e das demais entidades que se vinculam a esta Lei, no exercício de regulamentação de norma pública pertencente à legislação sobre a qual esta Lei versa, exceto se em estrito cumprimento a previsão explícita em lei, evitar o abuso do poder regulatório de maneira a, indevidamente:
(…)
VIII – restringir o uso e o exercício da publicidade e propaganda sobre um setor econômico, ressalvadas as hipóteses expressamente vedadas em lei federal; e”

Agência em Santos – ² – Art. 3º São direitos de toda pessoa, natural ou jurídica, essenciais para o desenvolvimento e o crescimento econômicos do País, observado o disposto no parágrafo único do art. 170 da Constituição Federal:
(…)
III – definir livremente, em mercados não regulados, o preço de produtos e de serviços como consequência de alterações da oferta e da demanda;
(…)
§ 3º O disposto no inciso III do caput deste artigo não se aplica:
(…)
II – à legislação de defesa da concorrência, aos direitos do consumidor e às demais disposições protegidas por lei federal.

Fonte: https://politica.estadao.com.br/blogs/fausto-macedo/regulacao-da-publicidade-infantil-pontos-de-partida-para-um-debate-com-toda-a-sociedade-civil/



Fonte



Outros sites desenvolvidos pela Lima & Santana Propaganda


Lima & Santana Propaganda

Os comentários estão encerrados.